domingo, janeiro 30, 2011

Não tem nada aqui para mim, nem para você.

Tudo que se coagula nestas páginas, são apenas gritos abafados, após doses cavalares de sentimentalismo.
Me agarrei a essa coisa de ser feliz a qualquer custo, e a unica recompensa que tive até agora foram garrafas vazias de algum rum barato, e cicatrizes apagadas por completo.
Agora mais do que nunca há palavras fazendo morada  na garganta.
Desaprendi a escrever, acho que por falta do tal sentimentalismo, por falta de areia molhada, sensações marítimas e ventos matinais. Talvez eu nunca tenha aprendido a empregar palavras, talvez eu ainda esteja presa no eu lírico, e talvez eu seja repetitiva ao ponto de fechar meus editais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Funerais