domingo, fevereiro 06, 2011

Cota excedida das aspirinas.

O problema interno se tornou externo, e era quarta-feira.
Acordou tarde como de costume, dessa vez sem o ritual passado de se olhar e sorrir para si mesma, não havia sorriso e nem um motivo lógico para tal apatia.
Sentiu que os olhos haviam se tornado pescadores, levantou e foi se arrastando até a cozinha, esquecera de acender as luzes e acabou derrubando até a si mesma. Pegou a xícara que estava dentro da pia e levou a boca, ainda com o resto de café da noite passada.
Deitou-se em posição fetal em uma rede armada na varanda, e ficou ali olhando o nada sendo cegada pelo sol, mas ainda sim havia um frio incomum que gelava a espinha e fazia surgir em seu rosto vestígios de lágrimas de noites passadas. É a antiga história do "se fazer forte", mas essa história fica para outra oportunidade.
Sentiu um gosto amargo de passado entalado na goela, mescla de Vila Rica e saudade. Não podia, havia prometido não mais colocar em sua boca nem sequer um cigarro, nem dos verdes, aqueles que ela adorava.
- Malditas promessas, malditos preços a serem pagos. - Disse e assim se levantou batendo com a perna na porta. - Porra.
Esqueci de avisar que essa tal tem problemas com a educação, ou com a falta da mesma, que seja.
Era quarta-feira, não havia sorrisos mas a cota de aspirina já havia excedido as 18hrs.
Creio que a ânsia dessa tal por encontrar nos outros corações parecidos com o seu fosse o real problema interno, mas isso não importa. Voltemos a narrativa.
Ligou o rádio, ultima memória "Jarras, você toma jarras. Jarras de café." Deu um soco meteórico na parede, se perguntando aos berros.
- Mas que porra de dia é esse? Até tu 2ois?.
Foi ao armário e sacou a caixa de primeiros socorros, se sentou a mesa e passou uma faixa em torno dos dedos para estancar a merda que a mesma acabara de cometer, com uma fúria inenarrável estava prestes a perder quaisquer que fossem as circulações.
Contou até dez na tentativa de encontrar paciência ou qualquer coisa que a acalmasse, e acabou encontrando mais aspirinas no espelho do banheiro, e junto haviam também suas fiéis navalhas.
Acordou no sábado, com a antiga história do "se fazer forte" que ficara para a próxima oportunidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Funerais